O que é uma sala de aula invertida?

 







Por Gilda Rodrigues. A sala de aula invertida é um modelo híbrido no qual a teoria é estudada em casa, no formato on-line, e o espaço da sala de aula é reservado para atividades mais ativas.

O Flipped Classroom ou  sala de aula invertida é um dos modelos de rotação proposto pelos teóricos do Clayton Christensen Institute dentro da abordagem do ensino híbrido.

Nesse formato, o professor transfere para o digital, fora da sala de aula, as informações básicas de um conteúdo e, na sala de aula, ocupa-se com atividades de aprofundamento, discussões e análises sobre o tema.

Isso é um inverso que normalmente ocorre no ensino tradicional, no qual o professor apresenta os conceitos básicos de determinado conteúdo e, em casa, os alunos aprofundam esses conhecimentos, por meio de leituras e atividades.

Bergmann e Sams, autores do livro “Sala de Aula Invertida”, descrevem o passo a passo de  suas experiências com a inversão da sala de aula:

1º -  após gravarem aulas e/ou selecionar materiais, disponibilizam-nos para os alunos antes da aula.

2º - inicia-se a aula com uma atividade de aquecimento e segue fazendo questionamentos e respondendo perguntas sobre o material visto em casa.

3º - Depois de responder às perguntas, passe-se às tarefas planejadas para a aula (instrução direta, experiências em laboratório, atividade de pesquisa, resolução de problemas, testes e outras atividades de aprendizagem ativas).

Esse formato altera, substancialmente, os papéis de professor e de aluno. O professor deixa de ser um mero transmissor de conhecimento e passa a assumir o papel também de orientador e de tutor. Já o aluno assume um papel mais proativo: indaga, investiga, analisa, idealiza, executa, entre várias outras ações que o coloca em uma atitude protagonista.

Essa perspectiva de aprendizagem tem sido, recorrentemente, discutida por teóricos da educação há mais de um século, como é o caso de John Dewey e Paulo Freire que sinalizavam a necessidade de a atividade de aula girar em torno do aluno e não do professor, de modo que o aluno pudesse se envolver com o processo de ensino e aprendizagem.

Bergmann e Sams (2019) elencam alguns motivos para a inversão da sala de aula.

·         A inversão fala a linguagem do estudante de hoje (conectados à rede).

·         A inversão ajuda os estudantes ocupados (alunos envolvidos em outras atividades, como esportes, militância estudantil, etc que precisam viajar por alguns períodos).

·         A inversão ajuda os estudantes que enfrentam dificuldades (eles podem pausar e assistir várias vezes)

·         A inversão possibilita que os professores conheçam melhor seus alunos.  Isso é consequência da maior interação professor-aluno.

·         A inversão muda o gerenciamento da sala de aula (há uma diminuição da indisciplina)

·         A inversão permite a personalização do ensino (ajusta às necessidades individuais)

Por tudo isso, essa metodologia convoca os professores a “abandonar a zona de conforto”  e experimentar novas possibilidades, mais desafiante para a escola, mas, mais motivadora para os alunos.

Essa abordagem tem alcançado tanto a educação básica quanto a superior e tem sido implementada em diversos países mundo afora, incluindo instituições de renome como Harvard e MIT.

SAIBA +: vídeo de introdução à abordagem da Sala de Aula Invertida, apresentado por Elieser Schmitz. https://ntetube.nte.ufsm.br/v/1505832361

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns olhares sobre a educação no contexto da pandemia: tecnologia e inclusão - diálogos necessários.

Formação docente na Educação Profissional e Tecnológica

Partilha que Vale: rede de solidariedade pedagógica dentro do IFNMG